PortugueseEnglishSpanish

A defesa, o ataque e a saúde.

Bezerros recém-nascidos

Os bezerros nascem sem defesa, apesar de apresentarem um sistema imune funcional. A ausência dessa capacidade de armar uma defesa é devido fato de não terem recebido nenhum estímulo anterior para que “ativem” em seu sistema imune, já que estavam em um ambiente essencialmente estéril que é o útero materno

Entretanto, após o nascimento, eles são lançados em um ambiente rico em microorganismos (vírus, bactérias, fungos etc.).

Durante a gestação dos bovinos, não há passagem de defesa da mãe para o feto, devido ao tipo de placenta dessa espécie. Considerando esse fator e mais o sistema imune com pouca capacidade de resposta é que dependemos do colostro da mãe para passar as defesa (imunidade) para um novo ser. Essas defesas passadas de mãe para o bezerro via colostro costumamos chamar de IMUNIDADE PASSIVA.

O nível de proteção que esse colostro vai proporcionar depende de vários fatores que passaremos a discutir a seguir:

  • Quantidade de colostro ingerido;
  • Qualidade do colostro;
  • Tempo entre o nascimento ingestão desse colostro.

Entendendo esse funcionamento torna-se mais fácil a fixação das informações. Assim, ressaltamos alguns aspectos de colostragem.

O que é COLOSTRO?

O colostro são as secreções da glândula mamária acumuladas nas últimas semanas de prenhez e que contêm proteínas transferidas da circulação sanguínea da vaca. Esta secreção é rica em imunoglobulinas – são proteínas especiais, ou seja, substâncias que tem um papel de defesa do organismo. E a medida que progride a lactação, o colostro é substituído pelo leite deixando a concentração de proteínas drasticamente reduzida.

Por que é o colostro só é absorvido nos recém-nascidos?

As imunoglobulinas – partículas responsáveis pela defesa do sangue – são proteínas, mas a atividade “proteolítica”, isso é, de quebra das proteínas no intestino dos recém-nascidos, é muito baixa e no colostro existe substância que inibe a quebra dessas proteínas (inibidores de tripsina).

Dessa forma, tais imunoglobulinas atingem o intestino do recém-nascido intactas e a “parede intestinal” deles está preparada para absorver essas grandes partículas,

que passam através das células para dentro dos capilares e finalmente atingem a circulação sistêmica. Assim, animais recém-nascidos obtém uma transfusão maciça das defesas da própria mãe.

Após 24h do nascimento, a atividade digestiva do bezerro recém-nascido está mais funcional e a parede do seu intestino está mais madura. Desta forma, além das imunoglobulinas serem digeridas, as que sobrarem terão dificuldade de entrar na circulação fetal. Assim, após um dia de vida a passagem de imunidade passiva para a circulação do bezerro é praticamente nula; porquanto, apenas algumas dessas partículas, permanecem na proteção da superfície da mucosa intestinal (IGA).

O não funcionamento de quaisquer desses processos predispõem os animais jovens a infecções.

PROBLEMAS NA COLOSTRAGEM

1) colostro fraco: comum em partos prematuros ou vacas que perdem colostro antes do parto;

2) tempo de nascimento até mamar o colostro: comum em caso de bezerros fracos ou vaca os tetos muito grossos e tetos feridos;

Obs.: o colostro da 1ª esgota, é muito mais rico do que a 2ª esgota, que é superior que o da 3ª e assim, sucessivamente. Logo, o 1º colostro é que melhor imuniza.

As vacas tem uma maior experiência imunológica; por isso, geralmente, produzem melhor colostro que as novilhas.

SOLUÇÕES PARA OS PROBLEMAS DE COLOSTRAGEM

Contornam se a maioria desses problemas dando-se assistência a esses recém-nascidos ao garantir-lhes boas mamadas logo após o parto. Outro fator é construir-se na propriedade um “BANCO DE COLOSTRO”.

O que vem a ser “banco de colostro?”

Ter-se um pequeno estoque de colostro do 1º dia congelado para ser utilizado, quando necessário.

Como descongelar esse colostro?

Descongela-se, lentamente, em água morna, em banho-maria – não fervente – para não cozinha-lo, Caso isso ocorra, suas proteínas perderão, totalmente, o efeito de imunoglobulinas- de defesa.

Em grandes propriedades leiteiras essa colostragem, às vezes é “forçada”, com madeiras e até sondas, para garantir uma ingestão máxima de pelo menos 6 litros de bom colostro nas primeiras 12h de vida, sendo os dois primeiros litros na primeira hora de vida.

Outra opção, hoje no mercado, são os sucedâneos de leite em pó, o colostro e pó para aqueles que não conseguem ter um banco de colostro disponível. Isso tem se tornado a melhor opção e, apesar de um custo mais elevado, compensa o investimento com eficiência.

Outro fator importante para a saúde dos bezerros é o combate ao ataque dos microrganismos do ambiente, através de

  • Limpeza e a higiene do local do parto;
  • Limpeza de bezerreiras e piquetes do animal;
  • Impedimentos de contato com animais doentes ou contaminação de fezes (diarreias);
  • Controle de moscas e acesso a água de boa qualidade (sem contaminação fecal).

São fatores determinantes  da saúde do recém-nascido. Em resumo convém garantir uma excelente defesa por meio de uma boa colostragem e reduzir ao máximo o ataque dos microrganismos do ambiente ao recém-nascido.

OUTROS TÓPICOS IMPORTANTES

Cura do umbigo

O umbigo é uma porta de entrada de muitas infecções. Deve, pois, ser curado nas primeiras horas de vida, com substância de efeito anti-séptico. Para secar este umbigo, deve se usar iodo 10%, ácido pícrico. De preferência, imergi-lo totalmente nessas soluções. Borrifar apenas soluções ou repelentes como também mata-bicheira, geralmente, não cumpre o papel de cura de umbigo. O processo de imersão deve ser repetido duas vezes ao dia até secagem e fechamento completo da cicatriz do umbilical.

Vacinas pré-parto

As vacinações feitas no pré parto (7-8 meses) de gestação são muito úteis para melhorar a qualidade do colostro contra determinadas infecções. Hoje existe uma variedade muito grande de produtos comerciais (vacinas) para vários tipos de infecções em recém-nascidos. Exemplo: rota vírus, coronavírus, E. Coli, Salmoneloses, Pasteurelose, etc.

As vacinas que deverão ser usadas dependendo da necessidade de cada propriedade e deverão ser orientados pelo médico veterinário que acompanha os problemas clínicos animais recém-nascido. Importa ressaltar que, geralmente, os custos e resultados da prevenção são melhores que os dos tratamentos clínicos.

Vacinas nos bezerros de 0-90 dias

A imunidade passiva adquirida através do colostro vem sendo destruída lentamente após colostragem e atingindo níveis muito baixos após 90 dias de idade. As vacinas, antes dos 90 dias de idade, devem ser bem avaliadas, porque além da resposta dos recém-nascidos às vacinas (antígenos), não ser muito rápida, normalmente tem se também uma neutralização desses antígenos da vacina com os anticorpos circulantes dos bezerros.

Resumindo: Sabe-se os bezerros nascem sem defesa alguma e que através da ingestão do colostro no primeiro dia de vida, em quantidade e qualidade adequadas, dão a eles as defesas necessárias para sobreviverem no novo ambiente, rico em agentes infecciosos, que atacam seus organismos. Para terem uma boa saúde importa não só proporcionar uma boa defesa como também reduzir o “ataque” com limpeza, higiene, por onde eles passarão seus primeiros meses de vida.

Deste modo, haverá animais saudáveis para reposição ou crescimento do rebanho.

Por José Renato Chiari

Médico veterinário, produtor de leite, e sócio proprietário da Agropecuária Irmãos Chiari e da Samvet Embriões.

Open chat